Pegada: você se preocupa com isso?

1004963_563109373780442_685059875_n

Pegadas furiosas!

    Esse é um ponto que sempre, mas sempre bato na tecla, com alunos e amigos que tocam: pegada. Bem, antes de mais nada, vale salientar, que cada estilo, cada música vai pedir uma pegada, um enfoque, uma interpretação. Não soara bonito tocar ”Wonderful Tonight”, do Clapton, como se estive tocando alguma música do Slayer, ou tocar no estilo do David Gilmour , num thrash metal, a lá Anthrax. Porém, independente disso, é necessário ter pegada, dar sentimento, através do seus bends, vibratos, e o ataque que você exerce nas cordas. Isso fará você ser reconhecido, ao ser escutado, e generalizando, cada um aplica um tipo de pegada no seu instrumento: uns são mais agressivos, outros mais amenos. Agora, um ponto que me … irrita um pouco, é ver guitarristas, que não transmitem pegada no instrumento, não transmitem sentimento, através dele. Não entende o que quero dizer? Dê uma passeada no youtube, e veja alguns vídeos de músicos interpretando canções do Satriani, Petrucci, Malmnsteen, Angra, Chiquititas, Xuxa, e o raio que o parta. Você obviamente, achará muitos vídeos incríveis, mas verá outros, de pessoas que correm pelo braço do instrumento, descaralhadamente, mas soam meio vazias, sem alma… correm, correm, correm, mas soam imitações semi-idênticas de outros. Você já ouviu John 5, Zaak Wylde ou John Norum? Palhetam extremamente rápido, e em certas horas, parece que vão explodir a guitarra, mas não soam mecânicos. Ok. Vamos esquecer isso. Vamos para outra esfera. Depois de corridas orgasmatórias na guitarra, com arpejos, e o caramba a quatro, o ser vai dar uns bends e uns licks com mais pegada e… e nada. Soa mais sem sal do que comida de hospital. Um bend tipo ”gatinho”, que parece miar, um vibrato sem tesão. Sempre que vejo isso, me vem à mente, a imagem de uma linda mulher na praia. O cara vai correndo ao encontro dela, aumenta a adrenalina, a emoção, e quando está chegando, indo para o abraço, o idiota tropeça, e cai. The End! Mais ou menos o que sinto, ouvindo algo assim. Ou você encontrara também, gente que espanca a guitarra, achando que sentar a porrada na bichinha, é tocar com feeling, com pegada. Acima, na foto, músicos de estilos diferentes de tocar, mas dotados de uma pegada única e forte: Brian May, Gary Moore, Orianthi (se você é homem, e fica de mi mi mi, para dar bends e vibratos com pegada, ouça essa menina, e terá vergonha da sua própria existência) Dimebag Darrel, Rory Gallagher e Zakk Wylde, com vídeos dos mesmos, exemplificando mais ainda o que quero dizer. Para finalizar, eu costumo fazer a comparação que pegada na guitarra, é +ou- , como ter pegada com uma mulher ( se você for uma menina, você já deve ter passado por essa situação ) : existe uma diferença gigantesca, entre apertar e puxar uma mulher, com brutalidade, e machucá-la; puxá-la e segura-la como se nunca tivesse tomado Toddinho na vida, passando segurança quase zero; e dar aquela boa puxada pela cintura, segurá-la pela nuca, e dar um belo beijo, e faze-la soltar um ”ui!!”. Bom treino a todos!

 

Anúncios

Sobre hericksales

Guitarrista, professor de guitarra e violão a 11 anos.

Publicado em 10 de setembro de 2014, em Música e marcado como , , , , , , , , . Adicione o link aos favoritos. Deixe um comentário.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: