For Unlawful Carnal Knowledge – Van Halen

Dec14_PG_LESS_EVH_WEB

    Tecer comentários sobre Eddie Van Halen, é completamente desnecessário, mas vamos do princípio de que a fase com Sammy Hagar nos vocais, não é a favorita de muitos, porém no ano de 1991, o Van Halen resolveu abandonar um pouco os teclados em excesso, e soltar um álbum pesado e digno de figurar entre os melhores da banda.

vhfuck1

    Vou evitar dizer ”o melhor solo do álbum”, pois torna-se redundante, tratando-se desse cidadão. Pois bem, para dar um ”oi”, e bem carregado, a mais conhecida do álbum, ”Poundcake”, abre com sua icônica introdução de furadeira, com pegada pesada de bateria, em um riff na qual quero chamar a atenção: note como soa tudo pesado, sem possuir toneladas de distorção! Dentre brincadeiras com harmônicos naturais, a canção vai subindo a adrenalina até seu solo, dando uma aula de dinâmica, técnica e melodia. Tenho pra mim, que é um dos melhores que ele já compôs, com direito até mesmo ao som de furadeira novamente. Trago essa faixa ao vivo, pra você ver a treta:

    Em seguida, a agressiva ”Judgement Day”, entrega um riff bem mais direto e heavy metal, com direto a solo de tapping, feito com as 2 mãos por cima do braço da guitarra! Não entendeu? Vou botar ao vivo também…

   Com clima misterioso, começa ”Spanked”, que deságua num riff funky, belas melodias vocais, e um solo coeso e cozinha presente. Note como todos abusam da dinâmica, e deixam tudo com clima de jam. A seguinte, ”Runaround”, tem aquele clima típico de hard rock, mas dê atenção a sua introdução, que se repete várias vezes na música, com um dedilhado com acordes atípicos para o estilo. A guitarra desenha a música toda, arpejando acordes em muitos momentos e fazendo arranjos com notas dos acordes, até seu solo altamente inspirado, cheio de wah-wah, que entre frases belas, tapping, alavancadas, preenche cada espaço do groove. A mais experimental do álbum, ”Pleasure Dome” , é de dar um certo nó na cabeça, graças ao groove de bateria altamente louco , que brinca com o riff de Eddie Van Halen, dando margem a um solo com ares mais livres e técnicos. A rocker ”In N Out”, abre já com o pé na porta, sem pedir licença, sendo um hard rock vigoroso, que releva aos mais atentos, uma certa influência de Jimmy Page em alguns trechos, até Eddie se soltar no solo. Veja como ele brinca com as alterações que a alavanca proporciona, e a festa que ele faz com ligados, tapping, e até trechos outside, sem deixar de jogar frases bem blues rock entre os vocais até o seu final, do jeito que só ele sabe fazer mesmo. Já iniciando com um tapping atípico, com uma linha melódica dissonante, ”Man On A Mission” vem, e deixa um groove dançante e pesado ao mesmo tempo, e seu solo que entra sem pressa, e meio que plaina pela levada usada. A introdução pesada de ”The Dream Is Over” tem na sequência uma bela melodia na guitarra e mais acordes dedilhados dando um ar diferente ao típico hard rock anos 80, e você notará isso, ao ouvir seu refrão altamente pra cima. Note como que Eddie entra detonando tudo no solo! ”Right Now”, é outro hit do álbum, que possui uma bela base de teclado, e arranjo bem elaborado em volta, e talvez, o solo mais melódico do disco. Obs: essa música foi usada na campanha de Obama, nas eleições americanas! Os belos acordes dedilhados de ”316”, soam agradáveis, e dão margem a última canção do disco, ”Top Of The World”, que sintetiza bem o espírito musical do Van Halen: um hard rock pra cima, com clima de festa, e arranjos bem elaborados, além da guitarra de um dos maiores músicos que o mundo já viu. 

522369_365152026909512_429593611_nk  Herick Sales é músico, e professor de guitarra e violão a 11 anos.

Anúncios

Sobre hericksales

Guitarrista, professor de guitarra e violão a 11 anos.

Publicado em 25 de maio de 2015, em Pérolas desconhecidas e marcado como , , , . Adicione o link aos favoritos. 2 Comentários.

  1. Faltou dizer a origem do nome do álbum: era uma expressão jurídica que descrevia a relação sexual forçada; em tradução livre, significa “para conhecimento carnal ilícito”, e é daí que vem a palavra “f*ck”, é só ver as iniciais.

    Curtido por 1 pessoa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: