Arquivo mensal: abril 2016

O lado bom de Yngwie Malmsteen

tumblr_momiatUpx81splolxo1_400.png

    Esse cara pra lá de mala, foi influenciado pela pela música barroca de Bach e Vivaldi, e pelas guitarras poderosas de Hendrix e Ritchie Blackmore, ajudando com essa mistura, a criar o que veio a ser conhecido como metal neoclássico. Influenciou tanta, mas tanta gente, que fica difícil enumerar: Kiko Loureiro, Edu Ardanuy, Paul Gilbert, John Norum, Guthrie Govan, Roland Grapow, e mais uma caralhada, além de arrancar elogios de músicos como Satriani, Steve Vai, Zakk Wylde e Slash. Então, com isso tudo, como pode o cara só ter feito música merda? Não é possível! Então, em uma pequena pesquisada em seus primeiros álbuns, não torna-se difícil achar ótimos, e quase sublimes momentos em sua carreira, com músicas potentes, solos que não soam repetitivos, boas composições, e feeling! Não deixe de notar 2 qualidades absurdas em seu estilo: clareza das notas, e bends/ vibratos perfeitos.

Essa, é do seu clássico primeiro álbum, o mais citado de todos, que chocou o mundo em 1984:

Essa é uma das mais legais dele, que conta com o poderoso vocal de Joe Lynn Turner, ex Rainbow, provando mais uma vez sua admiração pela obra de Richie Blackmore.

Do mesmo álbum, que tal essa, com bela melodia de refrão e peso?

Essa foi a primeira música que ouvi dele, e me impressionou, muito pelo groove ( sim, groove ), fluidez, e peso. É notória a influência funky de Hendrix:

Essa daqui calcada no blues, revela um hard rock potente e agradável de ouvir, e mostra um grande momento em que Malmsteen trabalhou para a canção:

Essa aqui possui uma bela pegada inicial, vocal potente, e um solo bem rocker!

Meu amigo, essa é uma das melhores: sente o groove ( sim, estranho falar isso do Mamsteen, né? ), chegando a ser sexy:

Essa possui uma sutileza melódica, quase pop, que chega a soar estranha vinda do Malmsteen:

Por fim, deixo esse cover de Red House do Hendrix, pra lá de legal e com o próprio cantando, soando bem mais legal do que sua performance no G3 ao abordar Hendrix.

 

 

 

 

Anúncios

Tirando o freio da mão!

MTE5NTU2MzE2MDU5NzY0MjM1

     Há um trabalho bem chato, até que a pessoa possa alcançar a velocidade que almeja, e não falo tocar rápido como exibicionismo. Grandes músicas exigem velocidade, seja em solos, ou em bases. Vou dar um exemplo de um clássico aqui:

     Viu só? O problema quanto à velocidade aqui, reside na base, hiper precisa e rápida! Já reparou nos riffs do tio James Hetfield, muito rápidos e precisos, que geralmente permeiam mais da metade de um show do Metallica? Imagina tocar assim, por 2 horas seguidas, fazendo força. Ele tem 52 anos, a idade veio chegando, e ele toca na mesma velocidade. Você não acha que se ele forçasse exageradamente, ele estaria tocando até hoje sem nenhum tipo de problema muscular? Fazendo um comparativo, lembram do Jeff Hanneman , do Slayer? Ele juntamente do Slayer fundamentou um estilo de thrash hiper violento, a ponto de influenciar o death metal, e merece total crédito por isso. Vou apenas atentar à parte técnica, ok? Ele sofreu aquela picada de aranha no braço, e até tentou ensaiar com o Slayer e voltar a tocar, mas não aguentava executar as músicas na velocidade certa. Veja só o quanto de movimento que ele faz ao tocar, dando a sensação que há um certo excesso de força e movimento. Repito, não estou desmerecendo o músico! Ele aprendeu assim, e dessa forma se acostumou, mas será que se ele tocasse com uma postura mais relaxada, ele teria tido menos dificuldade e teria voltado?

    Então, deixo aqui essa dica: toque o mais relaxado possível, e com o mínimo de esforço/movimento. Não adianta forçar, pra ter mais uns pontos de velocidade no bpm. Na verdade, além de vício e dores, você só vai empacar nisso. O relaxamento que você tem ao fazer um exercício em 60 bpm, tem que ser praticamente o mesmo, ao fazê-lo em 140, por exemplo.

Bons estudos!

Otimize seu estudo, e treine certo!

hahaa.png

    Como vez por outra, vejo gente falando da forma que estuda, e sempre fica capengando em certa técnica, tendo ainda dificuldade de organização para otimizar tais estudos, vou dar umas dicas pessoais, e espero ajudar um pouco:

  1. Conteúdo a ser estudado: Eu trabalho passando exercícios que variam de escalas ( de forma horizontal e verticalmente ), técnicas sobre a mesma ( bend, vibrato, palhetada, ligados, tapping, etc ), improvisação, músicas, etc. Então chego com uma folha com 5 exercícios por exemplo: numa aula consigo passar 3, ele treina loucamente esses, e na semana seguinte, passo os outros 2, aí ele treina só esses, e caga a evolução dos outros 3. Se você evoluiu bem nos 3 primeiros, e pegou 2 novos, diminua o tempo de treino dos 3 primeiros, e faça mais os outros  2, porém não abandone os antigos!
  2. Estudo de técnicas: Vejo casos assim: o aluno está treinando palhetada. Faz isso segunda e terça. Aí ele vai estudar uma música que requer ligados, e o que ele faz? Estuda só isso o resto da semana, e dias depois, quando vai fazer algo mais palhetado, sai tropeçando na porra toda. Não faça isso! Busque evoluir tudo por igual. Se você tem o material com os exercícios, é muito melhor você estudar cada exemplo 5 minutos por dia, e fazê-los evoluir por igual, do que estudar um exemplo uns 3 dias direto, outro exemplo mais 3 dias, etc. No fim, os primeiros ficarão quase como se você nunca tivessem sido treinados. Pense numa atividade física, e diga quem é mais saudável: o cara que faz uma caminhada de 30 minutos todo dia, ou o que faz 4h de exercício na academia, 2x por semana?
  3. Metrônomo: chega de ter medo dele, igual paciente no dentista! Ele serve para te ajudar a tocar no ritmo certo, e otimizar sua evolução, mas há um erro corriqueiro, no que tange o aumento dos BPMs: muita gente faz um exemplo, lick, frase, num tempo ( ex: 80 bpm ). Aí na hora de aumentar, dá um salto muito grande ( ex: 90 bpm ). Isso faz com que sua musculatura sinta bem esse aumento, e não é a melhor forma. Aumente de 2 em 2, se possível, de 1 em 1! Sim, vai demorar mais tempo, mas com isso, sua musculatura não vai sentir o aumento, cansará menos, e você conseguirá avançar bem mais na precisão e velocidade. É como se ”trapaceasse”: o intuito não é velocidade? Então, você estuda tudo muito devagar, e subindo de pouquinho em pouquinho, para ”enganá-la” e depois…

Bom treino!