Steve Lukather: domínio pleno da guitarra

Steve-Lukather-toto-meditation-practice-9

    Steve Lukather, é guitarrista, cantor, compositor, arranjador e produtor norte-americano ( só isso, nada de mais ), sendo considerado um dos maiores sidemans de todos os tempos, tendo participação em ”apenas” 1500 álbuns, dentre eles o ”Thriller”, de um tal de Michael Jackson. Logo, seja na sua banda Toto, na sua carreira solo, ou como sideman, você com certeza já ouviu o som e timbre de Lukather. Dono de um dos mais amplos fraseados que já vi, sendo capaz de transitar pelo estilo que quiser ( pop, rock, hard rock, metal, blues, fusion, etc ), Lukather possui a lenda , confirmada por sinal, de nunca demorar mais do que 2 takes para registrar seus solos. Torna-se difícil apontar as qualidades latentes em seu estilo de tocar, mas é notório seu fraseado com embasamento na obra de Hendrix e utilização da alavanca no melhor estilo Jeff Beck ( talvez sua maior influência ). Ele também mescla momentos rápidos e técnicos, advindo de sua influência de Al Di Meola e Eddie Van Halen, e passagens de fusion influenciadas por  John McLaughlin e o já citado Jeff Beck.

     Então, meu amigo, ao ouvir ”Africa”, clássico da sua banda Toto, não se engane! Há muita coisa cabulosa e intrincada em meio da sua obra, e eu vou dar uma leve ajudinha…

     Aqui, um clássico do Toto. Ok, mas já reparou nos solos cheios de pegada, que renderam uma ligação do Clapton tecendo elogios?

     Vamos começar o arregaço: veja essa canção bem hard rock, e os solos desse cidadão…

 

     Uma mais progressiva, pra começar a variar um pouco. Obs: veja a influência de Eddie Van Halen e Jeff Beck:

 

     Lembra que eu falei que ele consegue tocar o que quiser? Aqui uma com afinação baixa, e muito atípica para o Toto.

 

       Diga-me se essa não parece com as clássicas do Mr. Big:

     Vamos ao extremo: veja o assento pop/soul e improvisos fusion ao violão.

     Seguindo para sua carreira solo, veja essa aula de hard rock, cheia de intervenções guitarrísticas fodonas:

     Aqui, uma menos alegre, e com drives secos e belos. Note os caminhos que o solo te leva:

     Olhe o riff inicial, onde ele usa as vozes dos acordes para criar a melodia, que guia toda a canção, densa e forte:

     Umas das minhas favoritas da carreira solo: olha como soa moderna, pesada e pop ao mesmo tempo. Fora o solo! Note a clareza da parte veloz, e como ele tece uma história com as notas:

    E pra fechar, um ótimo exemplo que nem sempre usar toneladas de distorção, é o que fará sua música pesada. Veja o riff inicial, com pouco drive, mas forte e pesado. No meio acordes de violão, dando pinta da sua influência de rock progressivo, e um solo magistral!

Anúncios

Sobre hericksales

Guitarrista, professor de guitarra e violão a 11 anos.

Publicado em 4 de maio de 2016, em Música e marcado como , , , . Adicione o link aos favoritos. Deixe um comentário.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: