Arquivos do Blog

A experiência de ver o Children of Bodom ao vivo

13332817_1106689726041459_7185208215432500918_n

Foto: Vanderson Azevedo

    Dia 29/05/2016. Um domingo à noite. Circo Voador. O pessoal do Children of Bodom sobe ao palco, para promover seu mais recente álbum, o ótimo I Worship Chaos. Estava ansioso para ver toda a banda, e principalmente uma grande influência minha na guitarra: Alexi Laiho. Não vou me ater muito às músicas executadas, pois foram todas grandes canções executadas, dentre novas e clássicas. O que quero comentar aqui é grande entrosamento da banda. O Children pratica um tipo de som altamente pesado, um misto de death metal, com elementos melódicos e inclusão de outras influências como música erudita, metal clássico, e nuances de metal moderno até. E dentre isso, pude reparar o quanto absurdo é o baterista da banda, Jaska Raatikainen, como as linhas de baixo de Henkka Blacksmith são interessantes, não se limitando a fazer ”cabeça de nota”, como a guitarra base de Antti Wirman dá um suporte de peso aos voos guitarrísticos de Alexi Laiho, e como aquele lazarento do tecladista Janne Warman toca pra cassete, incluindo passagens eruditas, que dão ambientação e clima às canções. Já Alexi Laiho é um showman à parte: um híbrido de death metal, com postura hard rocker ( a diva joga o cabelo para o lado diversas vezes, e faz altas poses glam nos solos ), e não tem o que se reclamar: animou a galera, interagiu, e fez diversos duelos com o tecladista, dobrando frases, temas, improvisos, etc. Numa análise mais profunda, foi possível notar o uso extensivo de arpejos ( advindos de sua influência de Malmsteen ), e a maneira que cria/improvisa seus solos: há uma forma temática, em que cada trecho puxa o outro, criando uma história. Facilmente pude notar a influência de guitarristas como Jake E. Lee e Randy Roads nesse aspecto, além de alavancas bem radicais nos momentos certos, a lá Steve Vai.

     Por fim, ficou a satisfação de ter visto uma das grandes bandas de metal da atualidade, e com certeza, um dos grandes guitarristas da nossa geração, que conseguiu trazer do passado, elementos que deram frescor ao novo metal, e torço para que Alexi Laiho possa fazer o que seus ídolos fizeram no passado: influenciar jovens a sentirem vontade de empunhar uma guitarra, e estudá-la com dedicação.

Anúncios

Mente fechada, radicalismo, e musicalidade não podem andar juntos!

1010707_614186652006047_4472018403945764157_n (1)

    Sou professor de guitarra a um bom tempo, encontro muita, mas muita gente, que vem com doses cavalares de radicalismo musical, sem ter os ouvidos abertos ao que a música pode oferecer de fato. Muito se fala sobre identidade musical, a digital sonora do músico, e de uma banda. Ok. Então me diga: você acha possível, criar algo original, ao menos, com elementos novos, preso a uma única vertente, ou fã(nático), por apenas uns pares de bandas? Estou cansado de ver amantes de Metallica, Steve Vai, e Dream Theater, que acham que eles são os mais fodas do mundo. Sim, eles são incríveis, mas o mundo não gira apenas em torno deles. Vou começar dando um exemplo jazzístico: Miles Davis. O mundo do jazz, é dotado ( assim como em qualquer outro), de puristas. Então, uma mente genial, como a de Miles Davis, chega em 17 de agostode 1959, e lança um dos maiores e revolucionários álbuns da história: Kind of Blue. Com seus modalismos ( conceito utilizado maciçamente por vários músicos, desde Frank Zappa até Satriani), complexas progressões de acordes  ( vi no documentário do Pink Floyd sobre o clássico álbum ‘’The Dark Side of The Moon’’, o tecladista Richard Wright, declarar que usou uma progressão de acordes do álbum do Miles Davis, na canção “ Breath” ), e improvisação, este álbum entrou na lista dos 200 álbuns definitivos no Rock and Roll Hall of Fame. Sim! Os 200 álbuns definitivos de ROCK! Desde a nossa bossa-nova, até o rock’ n roll foram influenciados por esse álbum. Miles Davis rompeu mais barreiras, ao incluir guitarra nos seus álbuns ( era fã confesso de Hendrix, tanto que se não fosse a morte prematura dele, teriam gravado um álbum ), criando assim, o fusion . Uma canção bem forte, que mostra esse rumo, é ‘’ Fat Time ‘’, de 81, na qual pediu para seu guitarrista, Mike Stern, soar o mais “Hendrix” possível. Com isso, Miles conseguiu a ira de certos puristas, e entrou para a história da música, revolucionando a mesma. Agora imagine, se ele tivesse mantido sua mente fechada ao jazz tradicional, e suas características? Outra área que vejo muita gente fechada, é o metal. Já vi alunos, músicos, até mesmo só ouvintes, mais chatos que uma velha resmungona de 90 anos, e com um radicalismo musical forte, como se existisse um deus metal, que ficará muito puto, se ele ouvir cançôes do U2 ou Genesis. O estilo que você ama e tem como ‘’pronto’’ hoje, já com suas ‘’regras’’, veio através de misturas, e influencias diversas. Todo mundo com mais de 2 neurônios sabe que o blues deu luz a muitos estilos ( como o jazz e o rock ). E não seria diferente no metal. ( Tonny Iommi, guitarrista do Sabbath, sabe muito bem disso). Mas isso vai muito além. Dimebag Darrel, por exemplo, com o som ultra pesado do Pantera, criou uma abordagem moderna e agressiva, sendo referência desde então. Mas para isso, ele não ouviu apenas Metallica o dia todo. Ele era fã absurdo do Kiss, e tanto ele como seus companheiros, que são Texanos, sugaram tudo que ZZ Top, e o southern rock do Lynyrd Skyrnyd podiam oferecer, além de passagens harmônicas, em que você nota que não estamos lidando com moleques que acham que metal é fazer só barulho. O hino deles, ‘’Walk’’, é baseado num groove de blues, e possui licks que beiram o country, sem deixar de ser brutal. O mesmo com Zakk Wylde: sua paixão por Allman Brothers é tamanha, que ele já gravou um álbum na linha, e… foi guitarrista da banda em um show! Além de acrescentar elementos ao fraseado, advindos do Al di Meola ( jazz fusion latino ), e melodias ao piano a lá Elton John. Sim, Zakk é fã de Elton John. Por fim, temos uma referência mais atual: Alexi Laiho, do Children of Bodom. Bodom é uma banda de Death Metal. Beleza. Mas vocês imaginam um cara assim, que que começou a tocar, porquê ama Dire Straits, e que estudou em conservatório, além de ter feito aulas de piano? Alexi Laiho pegou suas influências de Steve Vai, misturou aos licks de blues/rock do Slash, com riffs de hard rock do Europe , metal clássico do Iron, Dio, Metallica,e Slayer, e influência erudita em seus solos, criando uma paisagem sonora caótica, e ao mesmo tempo melódica…no death metal! Já vi um trecho de uma vídeoa-aula dele, em que demonstra um groove de funk, que ele usa em alguns riffs!
E cada um desses, e milhares de outros, foram sim radicais! Tão radicais, que não se prenderam num único enquadramento sonoro, regurgitando apenas, o mais do mesmo, que já foi criado. Então, se você quer ser ‘’o cara radical do metal’’, ou de qualquer outro gênero, seja radical como os músicos que eu citei, que aí eu quero ver…