Arquivos do Blog

Metallica – Hardwired…to Self-Destruct: um auto resumo musical

imagem1

    Demorou 8 anos, mas eis que o membro mais famoso do Big 4 lança seu álbum: Hardwired…to Self-Destruct. De cara, não fui impactado como fui ao ouvir o Death Magnetic, que é mais urgente, e demonstrava uma necessidade do Metallica em provar que ainda poderia ser ícone do thrash que ajudou a criar, após o horrendo St. Anger. Ao ir ouvindo com calma, pude notar que o álbum é violento, bem trabalhado, e traz passagens que remetem a todas as fases da carreira, porém com outro tipo de maturidade. Uma observação: eu não sou fã do Load e Reload. Ponto. Acho que se juntassem os dois, teria até dado um bom álbum, mas a pegada soa meio diluída a meu ver. Bem… é apenas o que sinto, porém, o que esses álbuns trouxeram, foram elementos melódicos aos vocais de James (que cantou muito nesse Hardwired!), que não ouvimos nos primeiros álbuns do Metallica. Ou seja, é um álbum que seja intencionalmente ou não, faz um resumo do que de melhor o Metallica fez em seus mais de 30 anos de carreira, e com uma timbragem certeira!

Hardwired: a mais direta, seca e Kill ‘Em All de todas. Riffs simples, e com palhetadas precisas, o arranjo ficou perfeito para o vocal agressivo de James. Só achei um pouco brochante o solo, que me soou muito parecido com outros que Kirk já fez.

Atlas, Rise!: Com uma intro que remete às convenções de Dyers Eve, do And Justice for All, essa canção possui linhas melódicas dobradas e refrão grudento, que ganha força cada vez que é escutada, remetendo bastante ao trabalho de guitarras do já citado And Justice;

Now That We’re Dead: o groove do riff inicial, junto dos bumbos que Lars imprimiu na canção, te remete imediatamente ao clima do And Justice for All (pense na Eye of the Beholder). Um detalhe: isso ocorre muitas vezes durante o álbum, porém, o clima é mais “pra cima” do que no And Justice, e podemos ouvir tranquilamente o baixo, que dá uma baita encorpada no som. Puta musicão!

Moth Into Flame: nessa dá pra notar o mix que citei no início: riffs thrash, que remetem aos primeiros álbuns, aceleradas raivosas, porém, as melodias no refrão remetem um pouco ao senso melódico encontrado nos álbuns Load e Reload;

Dream No More: Puta que pariu! A minha favorita do primeiro álbum, é uma espécie de Sad But True dos novos tempos, mas com uma pegada meio Sabbath e Alice in Chains, e com um vocal diferenciado de James: mais agudo e com certa angústia e raiva. Sensacional! O peso e timbragem da bateria ficaram sensacionais, e tais características permeiam o álbum todo (dessa vez tu acertou Lars, até que enfim!);

Halo On Fire: uma intro típica do Metallica dá vazão a um dedilhado suave, porém, uma vocalização bem diferente do que costumamos ouvir. Talvez essa seja a que mais se aproxime de uma balada, daquelas ao estilo da banda, que vão crescendo. O final com um riff melódico na guitarra e quase épico soou muito bonito, tal qual fizeram em canções como Fade to Black;

Confusion: quase saiu uma Am I Evil aqui (brincadeira). De cara não curti essa canção, mas com algumas audições fui passando a gostar um pouco mais, e notar elementos que remetem a The Day That Never Comes, porém muito melhorada, e sem os exageros da citada. Além de ser mais pesada.

Manunkind: eu simplesmente me amarrei nessa música! O Metallica fazendo rock n’ roll! Riffs setentistas e levada blues/rock, com um peso extra e umas belas quebradas de tempo, fazem dessa uma das mais legais do álbum! E ainda tem o clipe com referências ao black metal, que ficou sensacional!;

Here Comes Revenge: Após uma intro que remete ao clima de Leper Messiah, a canção ganha um groove que me remete um pouco ao Death Magnetic e toques do Black Album até, alterando em vocalizações mais melódicas (outro momento que me remeteu ao Load/Reload), até chegar num refrão bem legal;

Am I Savage?: a intro te engana que vem uma balada, mas a canção entrega o track mais Black Sabbath do álbum (ouça só Lord Of This World, e note o espírito), além de um dedilhado no meio que me deu a sensação que James deu uma escutadinha no Rust in Peace do Megadeth (não vejo problema algum!), e o final pesado com toques modernos na guitarra, com harmônicos naturais, é de bater cabeça!;

Murder One: a bela homenagem ao Lemmy, começa com belo dedilhado a lá And Justice for All, mas deságua num puta rock n’ roll, extremamente pesado! Lars parece que tocou com uma bigorna!!! Além de possuir o melhor solo do álbum, o que me soou interessante é que a canção tem um toque de Motorhead, mas soa como Metallica! Bela homenagem!;

Spit Out The Bone: acredito que essa seja a canção que muitos esperavam deles desde o fim dos anos 80, pois possui tudo que o fã de thrash gosta: riffs rápidos e pesados, vocais raivosos, várias partes que se encaixaram perfeitamente e bumbo duplo em vários trechos. Spit Out The Bone fecha o play da melhor forma possível!

    Por fim, é muito gratificante ver o Big 4, num período de um ano, lançar álbuns muito bons e maduros, algo que merece palmas numa época em que o metal fica cada vez mais infantilizado, bobo, e não-orgânico.

Anúncios

10 momentos geniais de Kirk Hammett

kirk-hammett

    Kirk Hammett. O bichinho é zoado. Muito zoado. Até eu não resisto e sacaneio às vezes, e entro na pilha de alunos, com seus comentários tipo: “O Metallica roubou do Exodus o guitarrista errado”, ou “Há 30 anos ele faz o mesmo solo”. Dentro da minha concepção atual, ele deixou-se cair na “mais do mesmo”, repetitivo, etc. Porém, lembro-me bem de ouvir o Metallica ao vivo em alguma rádio, tocando no Rock in Rio Lisboa de 2004, com seus solos cheios de ligados na pentatônica, muito wah-wah, e aquela porrada toda dos clássicos da banda. Realmente me impressionou, e tive uma sensação de que ele era uma espécie de Hendrix faiscante (salvo as devidas proporções, é claro). Aluno do mestre Joe Satriani, Kirk tem como influências o já citado Hendrix, Jimmy Page, Michael Schencker, Joe Perry, e etc, e junto do Metallica, influenciou direta ou indiretamente milhões de bandas e guitarristas de metal, sendo citado como influência até mesmo por John Petrucci (ouça AS I Am do Dream Theater e comprove). E vamos ser francos? Quem nunca se inspirou no Metallica, ou até mesmo, começou a tocar por conta deles?

    Por ordem cronológica, vamos de uma do Kill ‘Em ‘All, álbum em que notamos o “foda-se” como tônica, porém, nessa canção temos um começo de solo bem melódico e bem construído.

    Ah, essa nem tem muito o que falar, né? Clássico da banda, com solo inicial muito bem desenhado, que acrescenta muito à melancolia inicial da canção, fora o final com tom mais épico, no qual acho uma certa influência do Randy Rhoads.

     Acho essa canção muito esquecida, porém, contém um dos seus melhores solos, no qual ele passeia por técnicas como tapping, arpejos e aplicação de licks de blues muito bem colocados.

    Aqui, uma do meu álbum favorito, no qual ele usa elementos como pedal piont, e passeia pela menor harmônica, num solo com mudanças de andamento.

    Lembro até hoje da cara que fiz quando ouvi essa música, que tem pra mim, os melhores solos dele. Desde as passagens mais melódicas, até a parte mais rápida, considero esse o solo mais bem feito do Kirk!

       Curto, direto e dramático, esse solo dá para a canção exatamente o necessário:

A alavancada inicial, os licks com bends feitos de forma rápida, e uma cozinha extremamente quebrada, fazem dessa uma das mais bem entrosadas convenções do Metallica, na minha opinião.

    Eu sei que essa é batidona, mas acho muito legal o andamento arrastado da música, com sua entrada cheia de pagada. Arrisco a dizer que é um dos solos mais rock ‘n roll do Kirk, parecendo até um tributo aos seus ídolos Hendrix e Michael Schencker.

    Com esse começo de solo assumidamente retirado de Little Wing do Hendrix, aqui ele caprichou no elemento que o faz ser o Kirk: wah-wah pra car@#%* .

    Olha, se é bonito eu não sei, mas até hoje busco entender o que ele fez exatamente com esses quilos de wah-wah, pra conseguir esse efeito:

    Não sei se vão concordar, mas pra mim, essa é a melhor música composta pela banda desde o And Justice for All, e possui tudo que caracteriza o estilo do cara: aqueles bends palhetados em tremolo, licks de repetição, descidas cromáticas, e muito, mas muito…ah, você já sabe o que.

O Benchmarking usado na música

IMG_2718IronMaidens

    Como já venho explicando, quando você possui uma banda, você têm uma empresa também. É incontestável isso. As maiores e bem sucedidas bandas do mundo, funcionam assim. E dentro desse conceito empresarial, temos um conceito muito importante, conhecido como Benchmarking, que nada mais é do que você pesquisar informações em outras empresas, como o quanto eles são competitivas, a inserção delas no mercado, comparações com outras para ver como você está colocado nesse nicho, e melhores práticas para serem inseridas na sua empresa/realidade. Em sem querer, você já faz isso, mas não se deu conta, nem buscou fazer de forma ”organizada”. Eu explico: se você gosta muito do tipo de timbre do Megadeth, e possui uma strato como modelo favorito, você pode descobrir o tipo de distorção que eles usam e captadores, para configurar seu set-up assim, e à partir disso, com sua pegada e estilo de tocar, soar como você, ou seja, acaba sendo um somatório da sua realidade, com o que você aprendeu de outra ”empresa”. Então para facilitar essa proposta apresentada, vou dividir o conceito de Benchmarking, para duas vertentes: desenvolvimento do seu estilo próprio, e desenvolvimento da banda.

Desenvolvimento de um estilo próprio: Darei um exemplo meu: lá para meus 17, 18 anos, fui vendo que possuía mais facilidade com ligados, já que não treinava tanto essa parte, porém, saíam mais fluídos. Ok. Mas eu não tinha tantas ideias assim, então, fui atrás de outros músicos, outras ”empresas” na área, como Satriani, Steve Vai, Dave Murray, dentre outros, que utilizam muito ligados, e busquei estudar ouvindo-os, tirando algumas frases, vendo as escalas usadas, etc. Porém, meu estilo de música, forma de tocar, não parece me nada com Steve Vai por exemplo. O que eu fiz, foi observar a forma que eles faziam, como interpretavam essa técnica, e trouxe para minha ”empresa”, para minha música. Então, se você quer uma melhora em determinada técnica, observe os ícones das mesmas, pegue para você os conceitos, e aplique!

Desenvolvimento de sua banda:

a) Estilo da banda: Essa mesma temática para buscar um estilo próprio, usando o Benchmarking, pode trazer grandes benefícios para a banda. Lembro-me que li uma entrevista do Pantera, na qual Phill Anselmo, estava tentando inserir uma sonoridade bem mais agressiva e pesada à banda ( antes do clássico Cowboys from Hell ), então, levou para os músicos, álbuns do Slayer e Judas Priest como referência, e estudaram canções dos mesmos para tal. O Pantera não soa como Slayer ou Judas, porém, pesquisaram características de cada uma, e inseriram em sua forma de tocar.

 b) Colocação da banda no mercado: essa é uma tarefa mais enfadonha, porém, que trará bons resultados: averiguar como as outras bandas do seu estilo procedem, sejam hiper famosas, ou não. A forma que eles gerenciam agenda, contratos, divulgação, apresentação do material, como trabalham com equipe ( caso tenham ), como se portam em suas apresentações, etc. Mas cuidado, observe se isso tem relação com o que você propõe artisticamente! O Metallica foi fazer isso acrescentando influências modernas, até no visual, para melhor se colocar no mercado, gravou o St. Anger. Cuidado!

    A cópia por cópia, não é legal, pois transforma tudo em clones, mas observar a o estilo de outros músicos, os processos de gerenciamento de outras bandas, e suas histórias até chegarem aonde chegaram, pode trazer muitas ideias e benefícios para você, e sua banda.